MENU
Mureta da Urca e o Bar Urca, são uns dos Points Cariocas

Mureta da Urca e o Bar Urca, são uns...

Lua de Mel no Atacama

Lua de mel no Atacama – Tudo sobre esse...

Torres del Paine

abril 5, 2016 Comentários (8) Visualizações: 7254 América do Sul, Chile, Destinos, Dicas de Viagens, Torres del Paine

Torres del Paine: Roteiro completo, com conforto e economia!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestmail

O Parque Nacional Torres del Paine é um imenso parque (1.810km2) localizado no sul do Chile, que recebeu esse nome devido a sua principal atração: montanhas de granito em forma de pilares, chamadas Torres del Paine. E foi de tanto ver essa foto clássica de lá que resolvemos incluí-lo no nosso roteiro.
Nossa maior dúvida quando estávamos decidindo esta viagem era se iríamos ou não nos hospedar no parque, já que muitas pessoas e blogs que pesquisamos diziam ser imprescindível. Existem 3 formas de hospedagem lá dentro: campings, refúgios (que são uma espécie de hostels) e hotéis de luxo. Obviamente, essas 3 opções facilitariam a nossa mobilidade dentro do parque, uma vez que o início das trilhas estaria mais próximo e assim, economizaríamos tempo. Ainda tínhamos a opção de ficar em Puerto Natales, cidadezinha a 112km da entrada do parque, porém teríamos que andar bastante de carro até o começo das trilhas, o que daria umas 3 horas pra ir e mais 3 para voltar… inviável!
E aí estava a nossa maior questão a resolver! Não estamos acostumadas a acampar e não queríamos ficar nos refúgios com banheiros compartilhados. Queríamos um pouco de conforto no fim da nossa viagem (estávamos vindo do norte do Chile) e não tínhamos grana pra nos hospedar nos luxuosos hotéis dentro do parque. Até que encontramos no booking.com um hotel localizado na Vila Serrano, a 5 min de carro da Portaria Serrano (lembrando que o parque tem 3 entradas diferentes), e com valor aproximado ao dos refúgios dentro do parque. Estava solucionado nosso problema: conforto e economia!
Decidimos, assim, fazer um bate e volta todos os dias do hotel pro parque. E foi a decisão mais certa para nós, que não somos “mochileiras ou trilheiras” e tão pouco rycas! Rs.

Vista da Vila Serrano, onde ficam os hotéis.

Alugamos um carro em Puerto Natales e seguimos estrada, por aproximadamente 2 horas até o hotel Pampa Lodge Quincho & Caballos. Todas as acomodações e o hall principal, onde tomávamos o café da manhã, tinham uma imensa janela de vidro com uma vista fenomenal para o Maciço Paine. O restaurante do hotel ficava numa construção separada, na entrada da propriedade, também com janelões de vidro, onde era servido almoço e janta (não incluídos na diária). E é claro que pedimos pra reservar uma mesa de frente para Los Cuernos. O hotel também oferecia o serviço de cavalgada, a parte, mas não chegamos a fazer.

Vista da Recepção e dos quartos do Hotel Pampa Lodge Quincho & Caballos

Deixamos nossa bagagem no hotel e já partimos para o parque. A entrada custou 18 mil pesos chilenos e dava direito a 3 dias consecutivos. Estacionamos o carro na cafeteria Pudeto e andamos uns 5 minutinhos até a cachoeira Salto Grande (lindíssima!!). Depois pegamos uma trilha rápida e de baixo nível de dificuldade para o Mirador Cuernos. Foram umas 2 horas de trilha, ida e volta. O tempo lá é muito instável, ora chove, ora faz sol, ora frio, ora calor, mas uma coisa parece que é constante: o vento fortíssimo! Ventava muito, de quase nos derrubar, tiveram momentos que tivemos que nos agachar na trilha pra não sair voando.  Mas a vista é lindíssima, surreal!!

Caminho para a Cachoeira Salto Grande e Início da Trilha Mirador Cuernos

Existem vários circuitos dentro do parque, um dos mais famosos é o Circuito W, que leva de 4 a 5 dias. Mas como somos meio-sedentárias (rs) e não estamos habituadas a trilhas tão longas assim, preferimos fazer trilhas de 1 dia só. Dessa forma, havíamos planejado fazer, no segundo dia, a base das Torres (que é o início do Circuito W) e, no terceiro, faríamos o trekking Grey.
Porém, nem tudo saiu como programado… Acordamos no segundo dia e chovia bastante, o céu completamente encoberto. Fomos até o centro de visitantes do parque e os guias não estavam recomendando que fizéssemos a trilha naquele dia. Até tentamos fazer o trekking Grey, mas a chuva era muito forte e começamos a sentir muito frio… Assim, achamos melhor abortar a missão. Voltamos para o hotel e descansamos um pouco naquela manhã e à tarde, fomos conhecer a parte norte do parque. Pegamos a estrada principal do parque e fomos parando em todas as atrações e mirantes marcados no mapa, uma parte do tour que eles chamam de FULL PAINE. Paramos para admirar o Lago Pehoé, a linda cascata do Rio Paine, e a Laguna Azul. O impressionante é que a vegetação, a fauna e o clima mudavam completamente conforme íamos avançando mais para o norte. Estava sol nessa parte do parque e vimos vários animais selvagens (como emas e guanacos). Foi bom para ter noção da dimensão do parque, que é enormeeeee!!! Da Laguna Azul (ponto mais ao norte que chegamos) até a Portaria Serrano (portaria mais próxima do nosso hotel) levamos umas 2 horas de carro. Tudo muitooo lindo!!!

Lago Pehoé, Cascata Paine, Laguna Azul, Guanacos e Ema.

Nosso terceiro dia em TPD amanheceu nublado e com chuva fina, mas como só tínhamos esse dia, lá fomos nós!!! De carro, seguimos pela estrada por aproximadamente 1h e 30min até o Hotel Las Torres, ponto de partida para o trekking Base Las Torres. Às 10:30h da manhã começamos a nossa saga de 18km. A primeira parte da trilha fizemos em 2 horas. Era uma subida muitooo cansativa, fomos num ritmo lento, parando pra beber água e tirar as milhões de blusas, pois a essa altura, já estávamos suando bastante. Paramos no Acampamento Chileno por 30 min para descansar, usar o banheiro e fazer um lanche. Seguimos mais 1 hora por um caminho um pouco mais tranquilo, fomos admirando a paisagem pelo meio da mata, atravessamos uns rios numas pontes suspensas… Até que começou a 3ª e pior parte! Não tinha mais trilha, agora era um monte de pedras enormes, umas sobre as outras, e fomos subindo… Uma subida sem fim… Ventava muito… Sentíamos frio e calor ao mesmo tempo… Víamos as pessoas muitoo longe na trilha, lá no alto, pareciam formiguinhas, dava vontade até de desistir… Mas já estávamos ali, tínhamos que seguir, afinal somos SELVAAA! #sqn Depois de 1:10h subindo pedra sobre pedra (haja joelho!), chegamos finalmente nas Torres del Paine!!! Que lugar lindooo!!! Valeu todo o sacrifício!

Trilha para a Base das Torres

Mas como ventava lá em cima.. um vento que doía o corpo, os dentes, a boca ficava dormente…. Tiramos algumas fotos, nos segurando pra não voar, e já era hora de descer. Levamos 3:30h pra descer tudo de novo, não era exatamente só descida, já tínhamos esquecido de alguns trechos de subida… Tiramos forças não sei da onde e às 20:00h estávamos no nosso carro! URRA!!!! Missão dada é missão cumprida!! Mais uma horinha de carro e ainda pudemos desfrutar da vista do nosso hotel durante a janta e, depois, daquela cama gostosa! Rs. É… o sacrifício foi grande, mas valeu muito!!! Só o contato com a natureza já foi fenomenal! E a sensação de SUPERAÇÃO foi top demais!!
No dia seguinte, acordamos um pouquinho mais tarde e seguimos em direção a El calafate, mas aí já é outra história….

Base das Torres

Informações úteis:
– Para chegar em TDP, pegamos um voo de 4 horas de Santiago para Punta Arenas (com escala em Puerto Montt) pela SkyAirlines. De Punta Arenas para Puerto Natales fomos de ônibus pela Bus Sur (3 horas). Em Puerto Natales alugamos um carro e fomos dirigindo até o hotel (1h e 30min).
– Quem for de carro para o parque deve ir com o tanque cheio, pois não há posto de gasolina próximo ao parque. Tivemos que comprar galões de gasolina em hotéis próximos ao que nos hospedamos.
– Roupas a levar: calça térmica e impermeável, meia-calça de lã, meia térmica e grossa, tênis para trekking, blusa fleece, casaco corta-vento com capuz, gorro, luva e cachecol.
– Levar lanche e água para a trilha. É possível comprar sanduiche no acampamento Chileno, mas estava bem ruim, além de caríssimo.
– No verão só anoitece às 22:30h. Dá bastante tempo para aproveitar o parque!
– No Chile é cobrado um imposto (IVA) de 19% sobre os serviços. É possível a isenção desse imposto somente para hospedagem, caso o pagamento seja efetuado em dólar ou euro.

Galera esperamos que tenham gostado muito, e se gostou comente e compartilhe!!!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestmail

Tags: , , , , ,

Booking.com

8 Responses to Torres del Paine: Roteiro completo, com conforto e economia!

  1. Adriane Maia disse:

    Adorei as dicas!!!

  2. Andreia disse:

    Muito legal! Vou guardar as dicas para daqui uns bons anos, pois agora temos 3 crianças pequenas…

    • Samira Samira disse:

      Você acredita que vimos várias crianças na trilha!? E elas tiraram de letra, passaram por a gente num pique enorme… E a gente quase morrendo! Rs.
      Mas realmente, se seus filhos não estão acostumados a aventuras como essa, melhor esperar um pouquinho mais!
      Fico feliz de que tenha gostado!
      Um beijão.

  3. Marina disse:

    Samira parabéns pelo post, ótimas dicas!
    Onde vocês alugaram o carro? Alugaram por quantos dias e quanto gastaram com o aluguel mais o combustível?
    Bjs

    • Samira Samira disse:

      Oi Mariana! Obrigada pelo carinho!
      O aluguel do carro foi R$2.000,00 (um Duster). Alugamos numa lojinha pequena, não lembro mais o nome. As mais conhecidas, tipo Rental cars, estavam muito caras. Deixamos pra alugar lá na hora. Na rodoviária, pedimos indicação e nos mostraram no mapa uma rua que tinha uns 4 lugares de aluguel de carros. Alugamos logo no primeiro que entramos, pois tínhamos pressa. Com a gasolina, acho que gastamos uns R$ 600,00. Não gravei ao certo, pois tivemos que pagar em diferentes moedas (peso chileno, peso argentino e dólar), mas foi por aí.
      Espero ter ajudado.
      Beijos!!!

  4. Tiago disse:

    Oi Samira. Você disse que precisou de galões de gasolina. Além de ir com tanque cheio no carro você precisou de levar galões pra não ficar sem combustível? Como vocês previram que faltaria gasolina?

  5. Caroline disse:

    Olá meninas! Excelente post! Estou indo para Torres del Paine no carnaval de 2018, em fevereiro. Quando fechei a viagem, há uns 2 meses, todos os hotéis dentro ou próximos do parque já estavam lotados e não havia disponibilidade de 2 quartos para 2 adultos (estou indo com meu marido, irmã e mãe) e não ficamos em nada que não seja um bom hotel …rsrsrs. Daí, resolvi hospedar em P. Natales e fazermos os 3 dias de parque em bate-volta. Já alugamos o carro que pegaremos em Punta Arenas. Vcs acham que podemos fazer o tour sozinhos, incluindo a trilha para a base das Torres ou devemos ir com guia? Já decidimos que somente eu e meu marido faremos essa trilha mais pesada… mas as outras é tranquilo de se fazer? Digo isso pela minha mãe, que apesar de ser uma marombeira de academia já passou dos 65 anos.
    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>